ENVELHECIMENTO PROVOCA ALTERAÇÕES CARDIOLÓGICAS

January 7, 2017

 

 

 

Pele fina e seca, cabelos brancos e unhas quebradiças não são as únicas características naturais da velhice, são apenas as aparentes para nós. Com o passar dos anos, os órgãos também envelhecem e sofrem alterações estruturais. O músculo cardíaco aumenta de peso, cerca de 1g a 1,5g por ano.
Mudanças como essa não são prejudiciais em si. Porém, os batimentos cardíacos e sua sua eficiência ficam reduzidos, diminuindo o volume de sangue bombeado. O que acontece, de acordo com Renato Fabbri, presidente da Sociedade de Geriatria e Gerontologia, regional São Paulo, é que diante de algumas atividades que exigem força e agilidade, como subir um lance de escadas, a resposta cardiovascular também será diminuída. “As alterações do ‘coração envelhecido’ incluem redução da capacidade de reserva funcional, não comprometendo necessariamente o seu desempenho no dia-a-dia, mas promovendo resposta cardiovascular diminuída frente a um esforço”.

A partir dos 50 ou 60 anos, o ritmo do metabolismo também desacelera, o que facilita o acúmulo de gordura nas artérias, principalmente em indivíduos sedentários, hipertensos e que possuem colesterol elevado. Assim, aumenta o risco de restrição do fluxo sanguíneo (aterosclerose). Se a região afetada for o coração ou o cérebro, o resultado pode ser um infarto ou um AVC (derrame).

Outra alteração estrutural decorrente do envelhecimento, segundo a cardiologista Magaly Arrais, cirurgiã cardiovascular do Instituto Dante Pazzanese, é o favorecimento do processo de calcificação e redução da elasticidade das artérias. “A formação de placas calcificadas nas paredes pode evoluir e levar a graus variados de isquemia (falta de oxigênio) em decorrência de lesões obstrutivas, chegando até à oclusão total da artéria, impedindo o fluxo de sangue”.

Segundo o Ministério da Saúde, as doenças do aparelho circulatório são a principal causa de mortalidade em idosos, com mais de 37% do número de mortes. As mais comuns são derrame, infarto e enfermidades decorrentes de hipertensão arterial. Por essa razão, o geriatra Renato Fabbri destaca a importância da prática de atividades físicas regulares. “É extremamente importante que a pessoa idosa não deixe de fazer atividades, nem que seja uma caminhada diária de 20 minutos. Os exercícios auxiliam na redução da pressão arterial, melhoram o desempenho da musculatura cardíaca e elevam a autoestima”.

Magaly Arrais também alerta que pacientes acima dos 60 anos devem realizar avaliação clínica periódica com cardiologista para a realização de exames laboratoriais e de imagem necessários para identificação de doenças frequentes nessa faixa etária.

Please reload

Posts Recentes

February 19, 2017

February 14, 2017

February 6, 2017

Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
  • White Facebook Icon
  • White Twitter Icon
  • White Google+ Icon